quarta-feira, abril 18, 2007

李振藩 CAPITULO XLII: cadeira de baloiço

Ninguém nota se desaparecerem uns milhões de hoje para amanhã. E friamente falando, não fazem falta. Sendo o salve-se quem puder a palavra de ordem neste pais, não há grande preocupação com os outros. Embora um dos últimos redutos comunistas, esta é a realidade. Por isso mesmo os patrões não se preocupam muito com os empregados e os cidadãos uns com os outros, entre si. Segurança é um conceito meio desconhecido por aqui: conduz-se sem cinto e a falar ao telemóvel, sem luzes, passam-se vermelhos descarados. As pessoas empurram-se em todo o lado, como se estivessem a desviar obstáculos do caminho. O lixo impera nas ruas. As datas de validade, há-as aqui e ali.

Hoje à minha frente vi isto. Num 32º andar, talvez a uns 80 metros de altura, vários homens limparam as janelas do Times Square com a mesma calma e tranquilidade com que logo se sentarão à mesa de jantar, apenas a meio metro do chão.


1 comentário:

Pedro Queirós disse...

oh.. vá lá.. eles estão presos por cordas! Não há problema nenhum! Fico admirado é com os nossos trolhas a passear em andaimes a 10m do chão sem protecções. Agora pendurado por uma corda a 100m do chão... podiam até ser 300m, não havia problema. Até era mais divertido. :D

Em Portugal também se limpam janelas, mas com umas plataformas, por vezes presas de forma mais precária que cada um desses trabalhadores :P Essas cordas parecem-me aguentar mais de 1 tonelada....